Mais uma vez vamos falar aqui sobre essa história de blogs, e por que em muitos casos achamos mais apropriado você fazer um blog do que construir um site, estático ou não, e arcar com todas as consequências disso (custos de domínio e hospedagem, segurança, atualização, administração, etc). É claro que designers e clientes querem um site que seja “a sua cara”, e os designers estão ávidos por oportunidades de demonstrar sua criatividade. Até aí, tudo bem, mas verdade seja dita, um site pode ser a cara de um cliente mesmo quando se trata de um template de um blog WordPress, personalizado por alguém que sabe o que está fazendo.

Da mesma forma, você não precisa mandar fazer todas as suas roupas, para se vestir de uma maneira que seja condizente com seu gosto e personalidade. Se você quer se vestir bem, há opções de sobra nas lojas, e você sempre pode escolher e combinar peças produzidas em série de forma única, autêntica. E o seu automóvel, qual é? Você mandou fazer um só pra você, ou escolheu um que, embora seja produzido em série, atende a todas as suas necessidades?

Um site não é diferente. A Coca-cola pode, e deve, ter um site exclusivo, único, até porque o tráfego deles exige um servidor dedicado, e é uma empresa que, embora não dependa de um site para vender, precisa de uma cara na web. Mas se você não é o dono da Coca-cola, de que tipo de site você precisa?

Pequenas empresas, profissionais liberais, ou pessoas que querem compartilhar informação na web precisam prestar atenção, na hora de fazer um site, a duas questões importantes: a) quem é o público-alvo do site e de que forma chegarão a ele; e b) que produtos ou serviços você vai oferecer para trazer e manter este público-alvo frequentando o site.

Se o seu domínio não é cocacola.com, então você não precisa se preocupar com o fato de que ele terá um “.wordpress.com” no final, já que as pessoas conhecerão seu endereço ou porque você mandou o link por email, ou fez uma campanha impressa, ou ainda porque eles procuraram por você, ou algo que você oferece, numa ferramenta de busca. Aliás, convém dedicar atenção a este item. Um blog te dá muito mais visibilidade que um site convencional, se você for um escritor assíduo e fizer um bom trabalho de “networking”.

E para quem quer publicar seus pensamentos na rede, sem nenhum interesse de retorno financeiro, ter um blog como este é ainda mais lógico. Se você vai mesmo pagar para alguém fazer um site para você, por que não contrata alguém para lhe ensinar a pescar, ao invés de simplesmente lhe vender o peixe?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *